O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

DESTAQUES SEMANAIS

Solenidade de Pedro e Paulo

29/06/2020

29 de junho: Festa de São Pedro do Povo de Deus

 

(1) Abertura: Sl 139 + At 12,11

             (ODC Part I, p. 187)

 

Agora sei, Senhor,

teu anjo me enviaste,

das mãos do opressor,

senhor tu me livraste,

do mal que se esperava

me libertaste!

 

  1. Meu coração penetras

E lês meus pensamentos,

Se sento ou se levanto,

Tu vês meus movimentos

De todas minhas palavras

Tu tens conhecimento.

 

  1. Por trás e pela frente

Me envolves, Deus, e cercas,

Pões sobre mim tua mão,

Me guias, me acobertas;

O teu saber me encanta,

Me excede e me supera.

 

  1. Quisesse eu me esconder

Do teu imenso olhar,

Subir até os céus,

Na terra me entranhar,

Atrás do sol que nasce,

Lá iria te encontrar.

 

  1. Se a luz do sol se fosse,

Que escuridão seria!

Se as trevas me envolvessem,

O que adiantaria...

Pra ti, Senhor, a noite

É clara como o dia!

 

  1. No seio de minha mãe,

Tu me teceste, um dia.

Senhor, eu te agradeço

Por tantas maravilhas,

Meus ossos, minha alma,

De há muito, conhecias.

 

  1. Quando, então, me formavas

Misteriosamente,

Minhas ações previas

No livro de tua mente,

Meus dias já contados

Antecipadamente.

 

  1. Teus planos, insondáveis,

Ó meu Deus infinito!

Somá-los eu quisera,

É um areal infindo,

E assim que me desperto,

Ainda estou contigo!

 

  1. Que os maus da terra sumam,

Pereçam os violentos

Que tramam contra ti

Com vergonhoso intento,

 

-  Elevo o cálice da salvação,

   Invocando o nome santo do Eterno!

 

2.Vou cumprir minhas promessas ao Eterno

   Na presença do seu povo reunido.

 

-  Por isso oferto um sacrifício de louvor,

   Invocando o nome santo do Eterno!

 

(5) Comunhão: Sl 34 + Mt 16,16.18

(ODC Part I, p. 50 – mel.: ”Bendirei ao S. todo tempo”)

Pedro disse a Jesus: “és o Cristo,

és o Filho de Deus, Deus da Vida!”

Jesus disse: “és Pedro, és pedra,

sobre ti, minha Igreja querida!”

 

3.Ó meus filhos, escutem o que digo

   Pra aprender o temor do Senhor:

   Quem de nós que não ama sua vida

   E a seus dias não quer dar valor?...

 

-  Tua língua preserva do mal

   E não deixes tua boca mentir...

   Ama o bem e detesta maldade,

   Vem a paz procurar e seguir!

 

4.Sobre o justo o Amor olha sempre,

   Seu ouvido se põe a escutar;

   Que teus olhos se afastem dos maus,

   Pois ninguém deles vai se lembrar...

 

-  O Eterno Amor ouve os justos

   E os liberta de sua aflição...

   Está perto de quem se arrepende,

   Ao pequeno Ele dá salvação!

 

5.Para o justo há momentos amargos,

   Mas o Eterno Amor o protege,

   Ele guarda com amor os seus ossos,

   E assim nenhum justo se perde!

 

-  A malícia do ímpio o liquida,

   Quem persegue o inocente é arrasado,

   O Eterno Amor os liberta,

   Quem se abriga no Amor é poupado!

 

(6) Hino de São Pedro (ODC Part II, p. 209)

 

Após a homilia ou antes da bênção final

 

Pedro, nosso timoneiro,

Pedro, nosso protetor,

/:foi Jesus Cristo quem te fez

pescador de nossas vidas

pro seu Reino de Amor!:/

 

1.Fala Jesus e Pedro escuta,

   Ao mar as redes atirou...

   De dentro das necessidades,

   Deus fala e Pedro acreditou...

   E deu-se a pesca milagrosa,

   A pescar gente o enviou!

 

2.São Pedro, um dia, recebeu

   As chaves de nosso Senhor,

   Chaves que fecham e que abrem

Abusam do teu nome

Pra planos tão sangrentos.

 

  1. Mas vê meu coração

E minha angústia sente.

Olha, Senhor, meus passos,

Se vou erradamente,

Me guia no caminho

Da vida para sempre.

 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

1ª Leitura: Atos 12,1-11

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

(2) Salmo de resposta:  Salmo 34

              ( ODC Part I, p. 50)

bendirei ao Eterno pra sempre

minha boca vai sempre louvar

ele livra quem é seu amigo

todo o povo irá se alegrar!

 

1. solo masculino

   Vamos junto dar glória ao Eterno

   E ao seu nome fazer louvação...

   Procurei o Eterno e me ouviu,

   Me livrou de uma grande aflição!

 

-  solo feminino

   Olhem todos pra Ele e se alegrem,

   Todo o tempo sua boca sorria...

   Esta pobre gritou e Ele ouviu,

   Fiquei livre a da minha agonia!

 

2. solo masculino

    Acampou na batalha seu Anjo,

   Defendendo seu povo e o livrando,

   Provem todos pra ver como é bom:

   O Eterno nos vai abrigando!

 

solo feminino

   Povo santo adore o Eterno,

   Aos que o temem nenhum mal assalta...

   Quem é rico empobrece e tem fome,

   Mas a quem busca a Deus nada falta!

 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2ª Leitura: 1ª Carta de Pedro 2,1-10

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

(3) Aclamação: Aleluia!

 

aleluia! aleluia! tu és Pedro, aleluia!

aleluia! aleluia! tu és Pedro, aleluia!

 

Sobre esta pedra edificarei a minha Igreja

E as portas do inferno não poderão contra ela!

 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Evangelho: Mateus 16,13-19

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------=

 

(4) Ofertório: Sl 116 “A vós, Senhor”

                   (HIN III A, p. 123)

a vós, Senhor, oferecemos estes dons,

o pão e o vinho. aleluia!

 

1.Que poderei retribuir ao Eterno

   Por tudo aquilo que me ele fez?...

 

   As portas da Mansão do Amor:

   Entrada livre aos oprimidos,

   Portão fechado ao opressor!

 

3.Com seus amigos mais queridos

   Jesus subiu lá pro Tabor,

   Se encontra Pedro com seu Mestre

   E sua glória contemplou:

   “Este é meu Filho bem-amado!!

   A voz do Eterno escutou!

 

4.Na derradeira e última Ceia,

   Jesus de Pedro os pés lavou...

   Lição tão bela o Mestre deu,

   Pedro aprendeu e ensinou:

   Só vai ter parte com Jesus

   Quem dos irmãos é servidor!

 

5.São Pedro, embora corajoso,

   Três vezes a Jesus negou...

   Na hora do cantar do galo,

   Cadê coragem, vacilou...

   Ninguém confie em suas forças,

   A nossa força é o Senhor!

 

6.Foi na manhã de Pentecostes,

   Abriu-se aporta, alguém clamou...

   Foi Pedro Apóstolo o primeiro

   Que a Jesus anunciou:

   “Aquele que vocês mataram

   Deus, nosso Pai, ressuscitou!”

 

7.E a multidão muito sentida

   “O que fazer?” lhe perguntou...

   “Mudem de vida e se batizem

   No nome de nosso Senhor!”

   Responde Pedro e o povo atende,

   E assim a Igreja começou!

 

8.Na força do Espírito Santo

   Se une o povo do Senhor...

   De Pedro escuta a pregação,

   Reparte o Pão, Ceia do Amor,

   Reparte os bens: tudo é de todos,

   Um mundo novo começou!

 

9.Roma era a capital do mundo

   E Nero, seu imperador...

   Pela Palavra da Verdade,

   Pedro seu sangue derramou,

   Crucificado como o Mestre,

   A mesma glória conquistou!

 

10.Escreveu Pedro duas cartas

    Aos seguidores do Senhor...

    São testemunho precioso

    Que a seus devotos entregou,

    Onde ele ensina a Vida Nova

    E um novo mundo anunciou!

 

<Levítico 11,44

Por que apenas São Pedro?...

 

Porque, de fato, é de quem o povo se lembra, todo ano, por sinal, no dia mesmo que a tradição reconhece como o dia do seu martírio, 29 de junho, “dia de São Pedro!”. Por razões práticas, pelo fato de o dia 29 de junho não ser mais feriado, quando esta data não cai no domingo, no Brasil, a celebração litúrgica acontece no domingo mais próximo do dia 29 de junho, seja antes seja depois.

 

São Paulo, em que pese sua importância para a vida das Comunidades cristãs e para toda a Igreja, entre nós, não caiu no gosto popular. E como já tem uma grande cidade, a maior do país, com seu nome, comemorando seu aniversário justamente no dia em que a Igreja comemora, liturgicamente, a “conversão de São Paulo”, parece pastoralmente mais conveniente, celebrar este grande Apóstolo, por sinal  o Apóstolo das Nações, nesta data. Semelhantemente ao que ocorre, no Brasil, com o dia 29 de junho, quando o dia 25 de janeiro não cair no domingo, poderia celebrar-se a sua festa no domingo mais próximo. E haveria o “Domingo de São Pedro” e o “Domingo de São Paulo”.

 

Mas vale a pergunta: por que apenas São Pedro caiu no gosto do povo?...

 

É possível que o fato de ser de Paulo gente da elite, tanto religiosa, quanto civil (haja visto que possuía cidadania romana), seu jeito “fariseu”, de grande rigor moral, e seu nível intelectual, o tenham tornado menos simpático ao povão.

 

Pedro, ao invés, ora “faroleiro”, como todo pescador, ora fraco, como todo pecador, parece mais próximo da experiência existencial e cotidiana do povo, cativando assim, mais naturalmente, sua simpatia.

 

É interessante perceber como Jesus, em sua divina grandeza e coerência, tanto sabe premiar este pobre pescador com a distinção de considerá-lo o “primeiro servidor” entre os Apóstolos, pela espontaneidade e entusiasmo da sua fé: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo!” (Evangelho de Mateus 16,16), quanto sabe misericordiosamente perdoá-lo nos seus momentos de fraqueza, sem por isso, diminuir a sua consideração ou retirar-lhe a incumbência. Vale a pena recordar a cena da “negação”, tal como retratada no Evangelho de Lucas:

 

<> (Evangelho de Lucas 22,34-61).

 

A este mesmo Pedro, após a sua ressurreição, Jesus perguntará, coincidentemente, por três vezes: “Simão, filho de João, você me ama?”... E esse diálogo, exigente e insistente, assim foi descrito por João, no quarto Evangelho:

 

<<Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, você me ama mais do que estes outros?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo” Jesus disse: “Cuide dos meus cordeiros.” Jesus perguntou de novo a Pedro: “Simão, filho de João, você me ama?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo” Jesus disse: “Tome conta das minhas ovelhas.” Pela terceira vez Jesus perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, você me ama?” Então Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Disse a Jesus: “Senhor, tu conheces tudo, e sabes que eu te amo.” Jesus disse: “Cuide das minhas ovelhas.”>> (Evangelho de João 21,15-17).

 

E o discípulo, que por três vezes negara seu Mestre, precisou professar por três vezes seu amor ao mesmo, para receber dele, por três vezes, igualmente, a missão de cuidar do rebanho, até o ponto de dar a vida pelo mesmo, como fizera seu Mestre (cf Evangelho de João 21,18-19).

 

Mas o mais interessante vai ser encontrar o próprio Pedro, mais tarde, em pleno exercício do seu ministério, escrevendo para pessoas recém-batizadas (pasmem!) essas solenes e grandiosas palavras:

 

<> (1ª. Carta de Pedro 2,4-10).

 

Que maravilha, escutar este pescador de peixes feito “pescador de gente” (cf Evangelho de Mateus 4,19), considerado por Jesus como “pedra” de base da sua Igreja (cf o Evangelho de hoje: Mateus 16,18), humildemente reconhecer, primeiro que a “pedra fundamental” mesma da Igreja é Jesus. Em seguida, olhar para todos e todas nós com essa compreensão grandiosa: vocês todos e todas são pessoas chamadas a fazer parte da construção do “Templo” verdadeiro de Deus... Vocês são as “pedras vivas” deste Templo!... Mais: vocês são chamadas e chamados a exercer um “sacerdócio santo”, a “oferecer sacrifícios espirituais que Deus aceita por meio de Jesus Cristo”... E como “raça eleita, sacerdócio régio, nação santa”, como “Povo de Deus”, vocês são as pessoas destinadas a “proclamar as obras maravilhosas” de Deus, ou seja, vocês todos e todas são as testemunhas do Evangelho.

 

Pelo visto, a Igreja confiada por Jesus aos cuidados de Pedro nada tem a ver com uma Igreja clerical, onde cordeiros e ovelhas ficam o tempo todo dependendo da iniciativa e das ordens  dos pastores... Pelo visto, a Igreja confiada a Pedro por Jesus é coisa de todos e todas nós: quando nos encontramos reunidos e reunidas em nome de Jesus, “ele está no meio de nós” (cf Evangelho de Mateus 18,20), somos com ele e nele o Templo vivo de Deus... Todos e todas somos sacerdotes e sacerdotisas, a ofertar o que realmente agrada a Deus, nossas vidas, em Jesus, com Jesus e por Jesus a Deus (cf Carta de Paulo aos Romanos 12,1-2), Eis o que celebramos no “ofertório”, cada vez que fazemos a Ceia do Senhor... Todos e todas, testemunhas assumidas da Palavra que liberta e salva a humanidade...

 

Eis a Igreja, NÓS! Que, já no Sermão da Montanha, somos gente destinada a ser “sal”, que fertiliza, dá sabor e conserva... “luz”, que resplende pelas “obras”, as quais levam as pessoas a “louvar o Pai”... “fermento”, que transforma toda a massa (cf Mt 5,14-16; 13,33).

 

Imaginem quando, pelo menos, boa parte das pessoas batizadas se conscientizarem disso e o assumirem!

 

Imaginem o que seria o Brasil, “o maior país católico do mundo”, se todas as pessoas que, desde o início da colonização, 520 anos atrás, tivessem sido evangelizadas de modo a desenvolverem e exercerem essa consciência, essa postura, esse desempenho profético, sacerdotal e régio-pastoral!

 

São Pedro, pescador e pastor, servidor de um povo com esse perfil, rogue por nós!

 

                                                                                   Reginaldo Veloso

                                                                                   Presbítero leigo das CEBs

 

Quanta falta faz a presença de cristãos e cristãs que exerçam sua missão profética nesse nosso país, nessa conjuntura tão desafiante, que lembra aquela “multidão” da qual Jesus teve compaixão “porque eram como ovelhas que não têm pastor” (Mt 9,36)!... Que escândalo as tais TVs e Rádios “de inspiração católica”, dia e noite enganando o povo com uma visão alienada da realidade e uma espiritualidade descomprometida com a Vida do povo, carente de tudo, morrendo à míngua, vítima da pandemia, mas muito mais, desse “pandemônio” genocida que ocupa a presidência da República! Perguntem-se o que faria, hoje, o Profeta São João Batista, um dos grandes festejados do mês de junho, diante desse “Herodes” de hoje...

Gente, “em nome de Jesus”,  vamos acordar uns aos outros, umas às outras, para clamarmos pelos direitos do povo, denunciarmos o desgoverno que já tem durado tempo de mais, e contribuirmos para a reconstrução da VIDA, nesse país doente, desigual, injusto, violento, que tem tudo para ser a TERRA PROMETIDA, onde corra o leite da justiça e o mel da PAZ, a Terra do BEM VIVER! Comecemos em nossas casas a abrir os olhos uns dos outros, umas das outras... E fiquemos de olho, desde já, nas próximas eleições municipais, vamos tomar juízo de uma vez por todas! Santo Antônio, São João e São Pedro, Santos do Povo de Deus, roguem por nós!

DOWNLOAD DO ARQUIVO →